Magnífico, confira! Fique ligado nas promoções!!

 

 

Algumas pessoas pensam que ter mais, ou mesmo fingir que têm mais, significa SER mais. Este é o problema da Baratinha exibida. Adaptação ilustrada da cantiga folclórica sobre a barata e suas saias de filó, este livro oferece às crianças a possibilidade de reflexão sobre temas atuais, como a supervalorização das aparências e dos bens materiais e o que é relevante na construção da autoestima. Tudo com o colorido perfeito da arte.

 

 

Projeto:


Pós-leitura: Após as leituras das imagens e textos do livro, podese partir para uma atividade de canto que inclua a reprodução das estrofes privilegiadas pela ilustradora. O professor pode se utilizar de instrumentos musicais de percussão para que todos acompanhem no ritmo adequado. Outra atividade pós-leitura seria uma leitura em voz alta, na qual ele poderá apontar o que está sendo lido. As crianças menores poderão, aos poucos, começar a fazer correspondência do que está escrito com o que é falado. O professor pode perguntar se as crianças se lembram de outra cantiga como a da barata - tanto em termos de melodia quanto de temática. Cantigas de roda e contos de fadas: As crianças são receptivas aos textos que ressaltam o caráter lúdico da linguagem. Canções e textos rimados, de fácil memorização, ajudam na antecipação e no reconhecimento de palavras, possibilitando à criança pequena “ler”, antes mesmo de ser considerada uma leitora convencional. Surge, aqui, uma sugestão para um projeto que envolva cantigas de roda e/ ou contos de fadas. Pode-se, ainda, a partir das ilustrações, fazer associações com Cinderela, a qual tinha poucas roupas bonitas e dormia pobremente, quando o livro trata da saia de filó ou na cama de capim. A estrutura narrativa do livro, juntamente com as ilustrações, permite alguma aproximação com temáticas de contos de fadas. Na ilustração em que a Baratinha está à janela da sacada, fica clara a associação com Rapunzel. Entretanto, seu namorado não sobe pelas tranças, mas está flutuando graças a balões.

 

Em relação às cantigas de roda, o professor poderá explorar, em seu projeto, outras canções que brincam com rimas ligadas a bichos, por exemplo. E, após isso, estimular as crianças a inventarem rimas diferentes das encontradas, completando as músicas de outra forma, criando, assim, novas versões. Como sugestões, deixamos: Projeto Atividade O professor inicialmente fará uma leitura simples e ritmada, ao mesmo tempo em que mostrará as ilustrações do livro. Não se pode esquecer que este texto, apesar de permitir uma versão musical, chegará às crianças em seu suporte impresso - o livro. E nisso residirá a referência principal ao professor: trata-se, antes de tudo, de um livro para ser lido. Posteriormente, para ser cantado. É muito importante que as crianças despertem o amor pela literatura e pelos livros. A leitura deverá ser feita também de forma bem humorada, evidenciando que se trata de um enredo cômico e com exageros da personagem principal. Em uma segunda leitura, as imagens podem ser mais bem discutidas e detalhadas, e o professor pode mostrar a presença de um narrador-cantor que é outro invertebrado: uma pequena aranha. Deve também explicar alguns elementos que podem não ficar claros para a classe: por exemplo, “filó”, “veludo”, “marfim”, “anel de formatura”, “sacada e a expressão”, “fazer pouco caso”. Leitura – texto e imagem Peixe Vivo Como pode o peixo vivo viver fora da água fria? Como pode o peixe vivo viver fora da água fria? Como poderei viver, como poderei viver sem a tua, sem a tua sem a tua companhia? Sem a tua, sem a tua sem a tua companhia? Atirei o Pau no Gato Atirei o pau no gato-to, mas o gato-to não morreu-reu-reu Dona Chica-cá ‘Dimirou-se-se Do berrô, do berrô que o gato deu: - Miau! Sapo Cururu Sapo Cururu na beira do rio. Quando o sapo grita, ó Maninha, diz que está com frio. A mulher do sapo é quem está lá dentro fazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento. Como produto final do projeto, o professor pode propiciar a produção artesanal de um novo livro ou mesmo CD de sua classe contendo uma versão coletiva para a música da barata.

 

Pré-leitura: Uma forma prática de se trabalhar o livro é levando a própria cantiga - que provavelmente já será de conhecimento das crianças - para dentro da sala em alguma atividade ou mesmo roda de canto. Algumas estrofes, diferentes das que constam no livro, podem ser cantadas, a exemplo de: A barata diz que usa perfume de margarida. É mentira da barata, ela usa inseticida. Ah, ah, ah, oh, oh, oh, ela usa inseticida! A barata diz que mora numa casa enfeitadinha. É mentira da barata, ela mora é na cozinha. Ah, ah, ah, oh, oh, oh, ela mora é na cozinha! Em seguida, o professor poderá apresentar o livro à turma, despertando comentários sobre a personagem da capa, indagando, por exemplo: “sobre o que é o livro? Quem é a personagem principal? O que a barata está fazendo? Por quê?”.

Atividades:

As crianças são receptivas aos textos que ressaltam o caráter lúdico da linguagem. Canções e textos rimados, de fácil memorização, ajudam na antecipação e no reconhecimento de palavras, possibilitando à criança pequena "ler" antes de ser considerada uma leitora convencional. As páginas são coloridas e ilustradas, o que favorece o debate sobre a compreensão das imagens. Rimas: brincar com palavras que rimam aguça a percepção auditiva. O professor pode pedir que os alunos destaquem as palavras rimadas. Em seguida, ele pode fazer uma roda com as crianças e escolher uma palavra (por exemplo: “balão”), dizê-la em voz alta e jogar uma bola para um dos alunos. Ao pegar a bola, este mesmo aluno deverá falar uma palavra que rime com “balão” e jogar a bola para outro, que fará o mesmo. A brincadeira

 

 

continua até parar em uma criança que não se lembra de nenhuma palavra que rime. Daí, recomeçam, com uma nova rima: “barata”, “filó", "veludo", etc. Como complemento, um dos versos pode ser apresentado a crianças maiores na forma de palavras recortadas. A elas pode ser solicitado que ordenem as palavras soltas. Discussão: algumas pessoas pensam que ter mais, ou mesmo fingir que têm mais, significa “ser” mais. Este é o problema da Baratinha exibida. Este livro oferece ao professor a possibilidade de refletir com seus alunos sobre temas atuais, como a supervalorização das aparências e dos bens materiais, e sobre o que é de fato relevante na construção da autoestima. Pode-se incluir, aqui, uma listagem do que a barata diz ter e o que ela de fato tem e, em seguida, analisar em roda por que a barata mentiria, buscando chegar à discussão sobre o que faz com que algumas pessoas mintam. Dia da Mentira: o livro pode ser trabalhado por ocasião do Primeiro de Abril, considerado o Dia da Mentira. É uma data que permite ao professor fazer atividades lúdicas a partir da canção tema. Bichinhos do jardim: como proposta para uma aula de ciências, o professor pode acompanhar a classe em uma atividade de identificação dos bichinhos que moram em um jardim e buscar semelhanças entre eles e a Baratinha.

 

 

 

 

 

MENTIRAS DA BARATINHA, As Autor(es): MARCIA GROSSMANN COHEN (ADAPTAÇÃO E ILUSTRA

REF: ISBN: 9788529301518
R$32,00 Preço normal
R$25,60Preço promocional
  • Assunto: Infantis e Juvenis
    Edição: 1ª Edição - 2011
    Páginas: 32
    Formato: 21 x 21 cm.
    Acabamento: Lombada canoa